quinta-feira, janeiro 18, 2018

O Vento - Poema de Carlos Nejar



O vento lavou as pedras,
mas ficaram as palavras.
O vento lavou as pedras
com sabor de madrugada.

O vento lavou as noites,
mas ficaram as estrelas.

O vento lavou a noite
com água límpida e mansa.
Mas não lavou a salsugem.

O vento lavou as águas,
mas não lavou a inocência
que amadurece nas águas.

O vento lavou o vento.



Carlos Nejar



Carlos Nejar

Sem comentários:

Enviar um comentário

Topo