quarta-feira, janeiro 24, 2018

Horas - Poema de Virgínia Victorino




Tem cada hora uma decifração.
As horas falam e têm gestos, cores.
Na hora da manhã - vê que esplendores! -
É diferente a sua vibração.

Repara bem na hora dos amores.
É um coração com outro coração.
Tem a hora maior palpitação.
Tem vida, movimentos e langores.

É cada hora um livro, e cada qual
da sua forma o lê: ou bem ou mal.
- Horas que vão e que não voltam mais!

Para mim há só duas. Males... bens...
É a hora dourada em que tu vens,
e a hora dolorosa em que te vais.


Virgínia Victorino



Sem comentários:

Enviar um comentário

Topo