sábado, março 23, 2019

O Meu Olhar Azul como o Céu - Poema de Alberto Caeiro





O meu olhar azul como o céu
É calmo como a água ao sol.
É assim, azul e calmo,
Porque não interroga nem se espanta ...
Se eu interrogasse e me espantasse
Não nasciam flores novas nos prados
Nem mudaria qualquer cousa no sol de modo a ele ficar mais belo...
(Mesmo se nascessem flores novas no prado
E se o sol mudasse para mais belo,
Eu sentiria menos flores no prado
E achava mais feio o sol ...
Porque tudo é como é e assim é que é,
E eu aceito, e nem agradeço,
Para não parecer que penso nisso...)



Alberto Caeiro, in "O Guardador de Rebanhos - Poema XXIII"
Heterónimo de Fernando Pessoa

sábado, março 16, 2019

Amor Perfeito - Poema de Cecília Meireles



O tempo seca a beleza.
Seca o amor, seca as palavras.
Deixa tudo solto, leve
Desunido para sempre
Como as areias nas águas.

O tempo seca a saudade
Seca as lembranças e as lágrimas 
Deixa algum retrato apenas.
Vagando seco e vazio
Como estas conchas da praia.

O tempo seca o desejo e suas velhas batalhas
Seca o frágio arabesco, vestígio do musgo humano,
Na densa turfa mortuária.

Esperarei pelo tempo
Com suas conquistas áridas.
Esperarei que te seque 
Não na terra,Amor perfeito 
 num tempo depois das almas.


Cecília Meireles
                  
               



segunda-feira, março 11, 2019

Na Longa Estrada




Na longa estrada de Jericó
Um homem sofre e eu vou passar
Vou apressado, vou em missão
Mas bate forte meu coração.

Se eu penso em mim, tu ficas só
Se eu penso em ti, seremos nós
A tua dor vai acabar
E eu mais seguro vou caminhar.

Seremos dois a enfrentar
A longa estrada de Jericó
Não temerei, não temerás
Os salteadores que espreitam lá.

E na cidade de Jericó
Vamos jantar amor e paz
E quem nos vir, há-de pensar
Vale sempre a pena estender a mão.


Cântico religioso






sábado, março 02, 2019

As rosas amo dos jardins de Adónis - Ricardo Reis




As rosas amo dos jardins de Adónis,
Essas volucres amo, Lídia, rosas,
Que em o dia em que nascem,
Em esse dia morrem.
A luz para elas é eterna, porque
Nascem nascido já o Sol, e acabam
Antes que Apolo deixe
O seu curso visível.
Assim façamos nossa vida um dia,
Inscientes, Lídia, voluntariamente
Que há noite antes e após
O pouco que duramos.



Ricardo Reis


Topo