sábado, 28 de novembro de 2020

Meu lírio roxo - Poema de Matilde Rosa Araújo




Vi sozinho
Num canteiro
Um lírio roxo...
Ai! a luz e o perfume da manhã!
E o meu rosto acabado de lavar!
E lá ficou,
Sozinho,
Num canteiro,
O meu lírio roxo,
Branco e transparente de alegria!


Matilde Rosa Araújo




segunda-feira, 23 de novembro de 2020

Outonal - Poema de Florbela Espanca




Caem as folhas mortas sobre o lago;
Na penumbra outonal, não sei quem tece
As rendas do silêncio... Olha, anoitece!
- Brumas longínquas do País do Vago...

Veludos a ondear... Mistério mago...
Encantamento... A hora que não esquece,
A luz que a pouco e pouco desfalece,
Que lança em mim a bênção dum afago...

Outono dos crepúsculos doirados,
De púrpuras, damascos e brocados!
- Vestes a terra inteira de esplendor!

Outono das tardinhas silenciosas,
Das magníficas noites voluptuosas
Em que eu soluço a delirar de amor...


Florbela Espanca



domingo, 15 de novembro de 2020

Silêncio .... Fernando Pessoa





“Existe no silêncio uma tão profunda sabedoria que, às vezes, ele se transforma na mais perfeita resposta”.


Fernando Pessoa





sexta-feira, 6 de novembro de 2020

Amo-te como quem ama a rosa





Amo-te como quem ama a rosa
Me aproximo
Sinto teu perfume
Rego-te
Te admiro
Mas não te tomo para mim
Pois ao tomar-te para mim
Eu veria tua beleza dissipando-se diante de mim
Faço-me, portanto, beija-flor
E beijo-te apenas
Nunca te carrego comigo
- Levo-te apenas dentro de mim...


Augusto Branco




Topo