sexta-feira, outubro 26, 2018

Permita-se - Paulo Roberto Gaefke




Permita-se,
andar pela rua no dia de chuva e chutar as poças d´água,
andar pela areia da praia com os pés descalços,
deitar na relva ainda úmida na manhã que se apresenta,
contemplando a natureza.

Permita-se rir de si mesmo diante do espelho,
contar uma piada sem graça onde só você ri,
falar do tempo com bom humor,
contar estrelas em noite enluarada,
perder a conta e recomeçar várias vezes...

Permita-se errar e admitir o erro sem culpa,
permita-se ser seu próprio advogado,
já que você defende tanta gente,
ame-se!





Permita-se ser mais amigo que pai,
e pai na hora que o filho pede um conselho.
Permita ser menos que "super-mãe"
ser simplesmente acolhedora,
colo de mãe não tem igual.

Permita-se ser amado,
roubar um beijo, um abraço mais demorado,
andar de mãos dadas pela praça,
comer pipoca em um saquinho único,
beber refrigerante com dois canudinhos,
coisas bobas dos apaixonados,
guardar papéizinhos,
bobeira deliciosa...

Permita-se chorar de vez em quando,
desopilar a alma, emocionar-se,
permita o arrepio dos pelos,
e no contato com Deus,
permita o toque do Divino,
e crer na força da transformação que existe em você.





Permita-se hoje, viver o amanhã,
sem se preocupar com o que foi,
pois assim é você, pessoa maravilhosa,
que tudo pode dentro das suas limitações,
e para quem já aprendeu sonhar,
qual é o limite da própria vida?

Permita a invasão da alegria,
seja feliz, ainda que a noite pareça não ter fim,
o dia vai chegar e quer te encontrar sorrindo!
Permita-se,

Você é um ser lindo!
 

Autor: Paulo Roberto Gaefke - www.meuanjo.com.br

sábado, outubro 20, 2018

Desventura




Tu és como o rosto das rosas:
diferente em cada pétala.

Onde estava o teu perfume? Ninguém soube.
Teu lábio sorriu para todos os ventos
e o mundo inteiro ficou feliz.

Eu, só eu, encontrei a gota de orvalho que te alimentava,
como um segredo que cai do sonho.

Depois, abri as mãos, - e perdeu-se.

Agora, creio que vou morrer.




Cecília Meireles


quinta-feira, outubro 18, 2018

Dorme, que a Vida é Nada




Dorme, que a vida é nada!
Dorme, que tudo é vão!
Se alguém achou a estrada,
Achou-a em confusão,
Com a alma enganada.

Não há lugar nem dia
Para quem quer achar,
Nem paz nem alegria
Para quem, por amar,
Em quem ama confia.

Melhor entre onde os ramos
Tecem dóceis sem ser
Ficar como ficamos,
Sem pensar nem querer,
Dando o que nunca damos.


Fernando Pessoa

sábado, outubro 13, 2018

Pobre Velha Música




Pobre velha música!
Não sei por que agrado,
Enche-se de lágrimas
Meu olhar parado.

Recordo outro ouvir-te,
Não sei se te ouvi
Nessa minha infância
Que me lembra em ti.

Com que ânsia tão raiva
Quero aquele outrora!
E eu era feliz? Não sei:
Fui-o outrora agora.


Fernando Pessoa



terça-feira, outubro 02, 2018

Urgente - Poema de Fernanda de Castro



Urgente é construir serenamente
seja o que for, choupana ou catedral,
é trabalhar a pedra, o barro, a cal,
é regressar às fontes, à nascente.


É não deixar perder-se uma semente,
é arrancar as urtigas do quintal,
é fazer duma rosa o roseiral,
sem perder tempo. Agora. Já. É urgente.


Urgente é respeitar o Amigo, o Irmão,
é perdoar, se alguém pede perdão,
é repartir o trigo do celeiro.


Urgente é respirar com alegria,
ouvir cantar a rola, a cotovia,
e plantar no pinhal mais um pinheiro.



Maria Fernanda Telles de Castro e Quadros



Topo