24/07/2021

5 Poema - Convite - Gilberto Mendonça Teles




Vem comigo para dentro
da palavra multidão:
de mãos dadas somos vento,
somos chuva de trovão.

Se uma andorinha sozinha
não pode fazer verão,
vem comigo mais ainda
para dentro da expressão.

Cada letra tem seu ninho
de palavras no porão:
vem tirá-las de seu limbo,
vem fazer tua oração.

Dentro de cada palavra,
no seu timbre e elocução,
saberás de peixe, cabra,
de liberdade e quinhão.

E até na palavra nova,
bliro, ilhaval e zirlão
alguma coisa se dobra,
tem sentido a sedução.

Pega portanto uma letra,
pega a palavra invenção
e transforma em borboleta
um risco arisco no chão.

É no centro da linguagem,
no seu silêncio e pressão,
que se dedilha uma casa,
que se desenha a canção.


Gilberto Mendonça Teles In (Álibis) 2000



17/07/2021

9 Poema - Sobrevivência - Alvina Nunes Tzovenos




Imagens fulgidas bailam no segredo das horas
brincam de luas
redemoinham emoções em espirais de fogo.

Imagens secas ou desfolhadas
manchadas de luz severa
não vestem intenções.

Revoltas em cinzas
brincam de quimeras.

Imagens crianças
risonhas prometem céus.

Imagens esperanças
gritantes
imitam o marulhar das águas.

Imagens retalhos vermelhos
prometem auroras
na crença de todas as horas.


Alvina Nunes Tzovenos
In: Palavras ao Tempo




10/07/2021

6 Poema - Retrato em luar - Cecília Meireles




Meus olhos ficam neste parque,
Minhas mãos no musgo dos muros,
Para o que um dia vier buscar-me,
Entre pensamentos futuros.

Não quero pronunciar teu nome,
Que a voz é o apelido do vento,
E os graus da esfera me consomem
Toda, no mais simples momento.

São mais duráveis a hera, as malvas,
Que a minha face deste instante.
Mas posso deixá-la em palavras,
Grava num tempo constante.

Nunca tive os olhos tão claros
E o sorriso em tanta loucura.
Sinto-me toda igual às árvores:
Solitária, perfeita e pura.

Aqui estão meus olhos nas flores,
Meus braços ao longo dos ramos:
E, no vago rumor das fontes,
Uma voz de amor que sonhamos.



Cecília Meireles
In Retrato Natural




Topo