sábado, 8 de dezembro de 2018

1 Plantar uma Floresta - Poesia de Luísa Ducla Soares




Plantar uma Floresta



Quem planta uma floresta
Planta uma festa.

Planta a música e os ninhos,
Faz saltar os coelhinhos.

Planta o verde vertical,
Verte o verde,
Vário verde vegetal.

Planta o perfume
Das seivas e flores,
Solta borboletas de todas as cores.

Planta abelhas, planta pinhões
E os piqueniques das excursões.

Planta a cama mais a mesa.
Planta o calor da lareira acesa.
Planta a folha de papel,
A girafa do carrocel.

Planta barcos para navegar,
E a floresta flutua no mar.
Planta carroças para rodar,
Muito a floresta vai transportar.
Planta bancos de avenida,
Descansa a floresta de tanta corrida.

Planta um pião
Na mão de uma criança:
A floresta ri, rodopia e avança.


Luísa Ducla Soares
A gata Tareca e Outros Poemas Levados da Breca









 

0 Estrela Polar




Esta sede de Te encontrar em mim
De correr p’ra Ti, de estar junto de ti.
Guias pelos vales o decurso do meu rio
Única razão és Tu, único sustento Tu
A minha vida existe porque existes Tu.

Tudo gira à Tua volta, em função de Ti
Não importa quando, onde e o porquê.

Gira o firmamento sem nunca ter paz
Mas existe um ponto a brilhar p’ra mim
A estrela polar que fixa os meus passos.
A estrela polar és Tu, a estrela segura Tu,
A minha vida existe porque existes Tu.

Brilha a Tua luz no centro do meu ser
Dás sentido à vida que em mim nasceu
Tudo o que farei será somente amor
Único sustento és Tu, a estrela polar Tu,
A minha vida existe porque existes Tu.


Cântico Religioso


terça-feira, 4 de dezembro de 2018

3 Lembrança





Fui Essa que nas ruas esmolou
E fui a que habitou Paços Reais;
No mármore de curvas ogivais
Fui Essa que as mãos pálidas poisou...

Tanto poeta em versos me cantou!
Fiei o linho à porta dos casais...
Fui descobrir a Índia e nunca mais
Voltei! Fui essa nau que não voltou...

Tenho o perfil moreno, lusitano,
E os olhos verdes, cor do verde Oceano,
Sereia que nasceu de navegantes...

Tudo em cinzentas brumas se dilui...
Ah, quem me dera ser Essas que eu fui,
As que me lembro de ter sido... dantes!...


Florbela Espanca


domingo, 2 de dezembro de 2018

3 A Dança





A menina dança sozinha
por um momento.

A menina dança sozinha
com o vento, com o ar, com
o sonho de olhos imensos...

A forma grácil de suas pernas
ele é que as plasma, o seu par
de ar
de vento,
o seu par fantasma...

Menina de olhos imensos,
tu, agora, paras,
mas a mão ainda erguida

segura ainda no ar
o hastil invisível
deste poema!


Mário Quintana


 

domingo, 25 de novembro de 2018

11 Soneto de mal amar





Invento-te    recordo-te   distorço
a tua imagem mal e bem amada
sou apenas a forja em que me forço
a fazer das palavras tudo ou nada.

A palavra desejo incendiada
lambendo a trave mestra do teu corpo
a palavra ciúme atormentada
a provar-me que ainda não estou morto.

E as coisas que eu não disse? Que não digo:
Meu terraço de ausência    meu castigo
meu pântano de rosas afogadas.

Por ti me reconheço e contradigo
chão das palavras mágoa joio e trigo
apenas por ternura levedadas.


Ary dos Santos, in 'O Sangue das Palavras'



domingo, 18 de novembro de 2018

3 Sais pelo Sonho




Sais pelo sonho como de um casulo e voas.

Com tal leveza podes percorrer o mapa
e ir e vir ao acaso, ar e nome:
como as borboletas.

Não és tu, mas a tua memória com asas.

E abrem-se os palácios,
e percorres os tesouros guardados,
e és sorriso e silêncio
e já nem precisas mais de asas.

Na noite encontras o dia, claro e durável
Voas sobre séculos e horóscopos
Ouves dizer que te amam
como ninguém jamais o poderia confessar.

Não tens idade nem tribo,
nem rosto nem profissão.
Podes fazer o que quiseres com palavras,harpas,almas.

E quando voltas ao teu casulo
já não tens medo nenhum da morte.
E em teu pensamento há néctar e pólen.


Cecília Meireles
In Sonhos