sábado, março 02, 2019

As rosas amo dos jardins de Adónis - Ricardo Reis




As rosas amo dos jardins de Adónis,
Essas volucres amo, Lídia, rosas,
Que em o dia em que nascem,
Em esse dia morrem.
A luz para elas é eterna, porque
Nascem nascido já o Sol, e acabam
Antes que Apolo deixe
O seu curso visível.
Assim façamos nossa vida um dia,
Inscientes, Lídia, voluntariamente
Que há noite antes e após
O pouco que duramos.



Ricardo Reis


5 comentários:

  1. Oi Maria,
    Seu blog é primor
    Adoro rosas, de preferência as vermelhas.
    Só lecionei na roça por dois anos, vi muita pobreza. Um dia enfrentei a dona da fazenda, altiva, era hora do recreio, ela disse: tudo bem, professora, aí respondi: não, os alunos da sua fazenda comem no chão como porcos. Mas tem uns livros. Respondi, ninguém come livros e por sinal são todas antiquados.
    A partir de amanhã, se a escola não tiver uma mesa simples coberta com toalha e dois bancos, eu não volto mais aqui.
    A fazendeira levantou o nariz, deu uma chicotada no lindo cavalo e sumiu com o seu "capatás".
    No outro dia, estava tudo do jeito que pedi, aí percebi que as criança não aprendiam: era fome.Dobrei a alimentação em três meses estavam todos bem até 2 alunas de primeira série começaram a ler.Dava aulas para as 3 primeiras séries.
    Um dia um supervisor apareceu na minha classe, ficou lisonjeado de ver a recepção que lhe deram.Era época de festas juninas, enfeitamos a sala. Ele sentou e disse: que maravilha está sua classe.
    Ele viu na lousa que estava ensinando: animais selvagens, aí ele disse: não existe animais selvagens é só não mexer com eles. Eu ri e lhe disse: por que o senhor não entra numa selva, os animais têm o olfato apurado e vão lhe comer. Rimos.
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderEliminar
  2. Uma postagem encantadora, tanto na escolha da poesia como na imagem.
    Beijos e feliz carnaval!

    ResponderEliminar
  3. Me encanta Maria, es un placer pasar por aquí. Muchas gracias. Besos.

    ResponderEliminar
  4. Ah, as rosas! São pura formosura.
    O seu perfume e cor enchem meu peito.
    Talvez sejam remédio ou a cura
    Nos males que parecem não ter jeito.



    Beijo
    SOL

    ResponderEliminar
  5. Maria , adorei o poema .
    Tudo em Fernando Pessoa nos encanta .
    Agradeço a generosa partilha .
    Beijos

    ResponderEliminar

Topo