quarta-feira, janeiro 24, 2018

Sei que estou só - Poema de Sophia de Mello Breyner





Sei que estou só e gelo entre as folhagens
Nenhuma gruta me pode proteger
Como um laço deslaça-se o meu ser
E nos meus olhos morrem as paisagens.

Desligo da minha alma a melodia
Que inventei no ar. Tombo das imagens
Como um pássaro morto das folhagens
Tombando se desfaz na terra fria.



Sophia de Mello Breyner


1 comentário:

Topo