domingo, janeiro 21, 2018

Pretexto - Poema de Maria Alberta Menéres




Por que não cai a noite, de uma vez?
— Custa viver assim aos encontrões!
Já sei de cor os passos que me cercam,
o silêncio que pede pelas ruas,
e o desenho de todos os portões.

Por que não cai a noite, de uma vez?
— Irritam-me estas horas penduradas
como frutos maduros que não tombam.

(E dentro em mim, ninguém vem desfazer
o novelo das tardes enroladas.)


Maria Alberta Rovisco Garcia Menéres de Melo e Castro



Sem comentários:

Enviar um comentário

Topo