quinta-feira, janeiro 18, 2018

Floriram por engano as rosas brancas - Poema de Camilo Pessanha





Floriram por engano as rosas bravas
No Inverno; veio o vento desfolhá-las ...
Em que cismas, meu bem ? Porque me calas
As vozes com que há pouco me enganavas?

Castelos doidos! Tão cedo caíste!...
Onde vamos, alheio pensamento,
De mãos dadas? Teus olhos, que num momento
Prescrutaram nos meus, como vão tristes!

E sobre nós cai nupcial a neve,
Surda, em triunfo, pétalas, de leve
Juncando o chão, na acrópole de gelos...

Em redor do teu vulto é como um véu!
Quem as esparze - quanta flor - do céu,
Sobre nós dois, sobre os nossos cabelos?



Camilo Pessanha


Sem comentários:

Enviar um comentário

Topo