sábado, janeiro 20, 2018

De onde é quase o horizonte - Poema de Fernando Pessoa




De onde é quase o horizonte
Sobe uma névoa ligeira
E afaga o pequeno monte
Que pára na dianteira.


E com braços de farrapo
Quase invisíveis e frios
Faz cair seu ser de trapo
Sobre os contornos macios.


Um pouco de alto medito
A névoa só com a ver.
A vida? Não acredito.
A crença? Não sei viver.


Fernando Pessoa



Sem comentários:

Enviar um comentário

Topo