quarta-feira, janeiro 17, 2018

Contemplação - Alvina Nunes Tzovenos





Eis que passa o vento e depois vem a chuva
desenhando arabescos de vales e montanhas
sobre terra molhada de lágrima e suor.

Ela é deusa de chinelos velhos
a pisar conchas doiradas de ilusões
reflexos de sonhos.

E num riso doido ela não cerra suas pálpebras
torna a pingar lentamente como música
cigarra falando baixinho ou
conchas sussurrando mar.

E no seu andar de garça preguiçosa
continua a tilintar em meus ouvidos
num zum-zum de insetos
tão discretos.

E a cair e a cair
desprende seus braços húmidos
como sal de praia
a tocar meus olhos também húmidos.


Alvina Nunes Tzovenos
Palavras ao Tempo




Sem comentários:

Enviar um comentário

Topo