sábado, janeiro 20, 2018

Canção Desesperada - Poema de Eugénio de Andrade




Nem os olhos sabem que dizer
a esta rosa da alegria,
aberta nas minhas mãos
ou nos cabelos do dia.

O que sonhei é só água,
água só, roxa de frio.
Nenhuma rosa cabe nesta mágoa.
Dai-me a sombra de um navio.


Eugénio de Andrade

Sem comentários:

Enviar um comentário

Topo