sábado, janeiro 20, 2018

Cais - Poema de Fernando Namora





Ténue é o cais
no Inverno frio.
Ténue é o voo
do pássaro cinzento.
Ténue é o sono
que adormece o navio.
No vago cais
do balouço da bruma
ténue é a estrela
que um peixe morde.
Ténue é o porto
nos olhos do casario.
Mas o que em fora nos dilui
faz-nos exactos por dentro.


Fernando Namora, in 'Marketing'




Sem comentários:

Enviar um comentário

Topo