sexta-feira, janeiro 19, 2018

Apresentação - Poema de Cecília Meireles




Aqui está minha vida — esta areia tão clara
com desenhos de andar dedicados ao vento.

Aqui está minha voz — esta concha vazia,
sombra de som curtindo o seu próprio lamento.

Aqui está minha dor — este coral quebrado,
sobrevivendo ao seu patético momento.

Aqui está minha herança — este mar solitário,
que de um lado era amor e, do outro, esquecimento.


Cecília Meireles, in 'Retrato Natural'





Sem comentários:

Enviar um comentário

Topo