domingo, novembro 03, 2019

Madrugada no Campo - Poema de Cecília Meireles




Com que doçura esta brisa penteia
a verde seda fina do arrozal
Nem cílios, nem pluma, nem lume de lânguida
lua, nem o suspiro do cristal.

Com que doçura a transparente aurora
tece na fina seda do arrozal
aéreos desenhos de orvalho! Nem lágrima,
nem pérola, nem íris de cristal...

Com que doçura as borboletas brancas
prendem os fios verdes do arrozal
com seus leves laços! Nem dedos, nem pétalas,
nem frio aroma de anis em cristal.

Com que doçura o pássaro imprevisto
de longe tomba no verde arrozal!
Caído céu, flor azul, estrela última:
súbito sussurro e eco de cristal.


Cecília Meireles 

9 comentários:

  1. Maus uma belíssima escolha!! Amei!!

    Beijos. Boa noite!

    ResponderEliminar
  2. Maria , gosto demais dos poemas de Cecília Meireles .
    Este que postou foi muito bem escolhido .
    Obrigada pela partilha .
    Beijos

    ResponderEliminar
  3. Esta é a beleza da natureza, tão bem descrita por Cecília Meireles
    Beijos e bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  4. Também eu adoro a poesia de Cecília Meireles!
    Belo e requintado, brilhante como cristal...
    Parabéns pela escolha.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  5. Belíssimo poema de Cecília Meireles.
    Bjs

    ResponderEliminar
  6. Um belo poema da Cecília Meireles, aproveito para desejar a continuação de uma boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderEliminar
  7. Olá Maria!
    Mais um belíssimo poema,
    de Cecília Meireles. gostei bastante.
    Beijinho de paz.
    Luisa
    https://saboreioanatureza.blogspot.com/
    Gotículas de Orvalho

    ResponderEliminar
  8. Olá Maria
    Que bela escolha. Este poema é maravilhoso.
    Beijinhos querida

    ResponderEliminar
  9. Que bom que tu propagas poesia!
    A arte anímica da luz sobre o belo
    A iluminar o que há de singelo
    No derredor e que a alma não via.

    A poesia é sonho, pois, Maria!
    E o poeta é um polichinelo
    Fazendo a palhaçada em falso elo
    Entre o hilário e a alma vazia.

    Assim, o sombreado faz-se em luz
    A iluminar a alma e a conduz
    À transcendência dos ditames seus.

    Cecília é enorme e por isso faz jus
    À luz de minha alma, onde eu a pus
    Por ser divina a alma e ser de Deus.

    Grande abraço, querida amiga! Laerte.

    ResponderEliminar

Topo