sábado, 23 de novembro de 2019

Maria das Quimeras - Poema de Florbela Espanca





Maria das Quimeras me chamou
Alguém.. Pelos castelos que eu ergui
P'las flores d'oiro e azul que a sol teci
Numa tela de sonho que estalou.

Maria das Quimeras me ficou;
Com elas na minh'alma adormeci.
Mas, quando despertei, nem uma vi
Que da minh'alma, Alguém, tudo levou!

Maria das Quimeras, que fim deste
Às flores d'oiro e azul que a sol bordaste,
Aos sonhos tresloucados que fizeste?

Pelo mundo, na vida, o que é que esperas?...
Aonde estão os beijos que sonhaste,
Maria das Quimeras, sem quimeras?...


Florbela Espanca, in "Livro de Sóror Saudade" 

4 comentários:

  1. Florbela Espanca uma das famosas e populares poetisas portuguesas. Adoro os seus sonetos.

    Feliz fim de semana.

    ResponderEliminar
  2. Um poema bem escolhido... Da minha Poetisa favorita!! Amei!:)

    -
    As nossas mãos selam os compromissos
    Beijo e um excelente Domingo

    ResponderEliminar
  3. Lindíssimo poema da Florbela!!!
    Feliz 4ª-feira!

    ResponderEliminar
  4. É sempre um prazer apreciar a poesia da maior representante que integra a arte de poetar em Portugal.
    Saudações poéticas
    Juvenal Nunes

    PS - Caso lhe interesse poderá visitar o meu Blog PalavrasAladas1952.blogspot.com

    ResponderEliminar

Topo