sábado, 10 de outubro de 2020

Felicidade




A doce tarde morre. E tão mansa
Ela esmorece,
Tão lentamente no céu de prece,
Que assim parece, toda repouso,
Como um suspiro de extinto gozo
De uma profunda, longa esperança
Que, enfim cumprida, morre,descansa...

E enquanto a mansa tarde agoniza,
Por entre a névoa fria do mar
Toda a minhalma foge na brisa:
Tenho vontade de me matar!

Oh, ter vontade de se matar...
Bem sei é cousa que não se diz.
Que mais a vida me pode dar?
Sou tão feliz!

- Vem, noite mansa...


Manuel Bandeira
In O Ritmo Dissoluto




6 comentários:

  1. Olá Maria
    É belo poema
    Realmente pra que se matar?
    Apesar dos pesares
    A natureza é tão bela
    Em qualquer estação
    Se podemos ver, sentir
    O melhor é curtir a vida e ser feliz
    Bom domingo pra você.

    ResponderEliminar
  2. Um poema de Manuel Bandeira, que não conhecia e de que gostei muito, Maria.
    Não vale pedir a morte, pke ela não se esquece de nós. Peçamos, antes, paz, saúde e felicidades.
    Beijos e bom domingo.

    ResponderEliminar
  3. MARIA RODRIGUES,

    Manuel Bandeira< eu comentar? Absolutamente, Manuel Bandeira é tudo de todos os tempos!!!
    Um abração carioca

    ResponderEliminar
  4. Adoro ler Bandeira e este é muito lindo.
    Bela escolha amiga.
    Beijo

    ResponderEliminar
  5. La vida puede dar muchas más cosas, siempre y cuando caminemos con optimismo, fe, esperanza... y no se pierdan las ganas de luchar.
    Un bello poema que no conocía.
    Un fuerte abrazo y buena semana.

    ResponderEliminar

Topo