quarta-feira, julho 25, 2018

Eis a casa




Eis a casa - poema de Cecília Meireles



Eis a casa
menos que ar
imponderável,
no entanto é branca de camélia
e tem perfume de cal
Com seus corredores
O alpendre
As janelas uma a uma
Vê-se o mar. As montanhas. O trem passando
O gasómetro
Vêm-se as árvores por cima com suas flores
A casa imponderável
Mas de cimento madeira tijolos ferro vidro
A pintura prateada das grades cheira a óleo a fruta a luz
A água a pingar cheira a musgo,
soa metálica, trémula
insetos pássaros líquidos
pequenas estrelas
clarins muito longe
Peitoris gastos de braços antigos
Sombras de borboletas
Eu sei quem comprou a terra
quem pensou nos desenhos
quem carregou as telhas
Passam legiões de formigas pelos patamares
Eu sei de quem era a casa
quem morou na casa
quem morreu
Eu sei quem não pôde viver na casa
É uma casa
com seus andares
suas escadas
seus corredores
varandas
aposentos
alvenaria
muros
imponderável.
Uma casa qualquer.
Cruz que se carrega.
Imponderavelmente, para sempre, às costas.


Cecília Meireles


7 comentários:

  1. Hi Maria.

    Beautiful words at the beautiful house.

    Nice picture you have made.

    Groettie from Patricia.

    ResponderEliminar
  2. Lindo poema de Cecília.
    Bjs

    ResponderEliminar
  3. Oi Maria,
    Quebrei dois dedos
    Logo volto
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderEliminar
  4. La casa donde nace y terminan todas nuestras historias

    así la vida.

    ResponderEliminar
  5. https://poemasdaminhalma.blogspot.com
    Olá, amiga Maria!
    Excelente poesia, tão verdadeira... é realmente a casa, e por tudo aquilo que nela contem, que todos nós lutamos na vida.
    A casa, incute um sem numero de valores, alegrias, tristezas, e tribulações.
    Gostei imenso, da poesia de Cecília Meireles.
    Lindíssima escolha.
    Beijinhos de ternura e paz.
    Luisa
    Luisa

    ResponderEliminar

Topo