segunda-feira, 3 de agosto de 2020

Espera - Poema de Eugénio de Andrade




Horas, horas sem fim,
pesadas, fundas,
esperarei por ti
até que todas as coisas sejam mudas.


Até que uma pedra irrompa
e floresça.
Até que um pássaro me saia da garganta
e no silêncio desapareça.



Eugénio de Andrade
De As Mãos e os Frutos




5 comentários:

  1. Bello poema identificado con una esplendida forma de amar.
    Un abrazo Maria.

    ResponderEliminar
  2. Poeticamente maravilhosa esta publicação.
    .
    Saudações poéticas

    ResponderEliminar
  3. SI a veces esperar tiene su sentido, templa nuestro espíritu y sobretodo creo nos hace comprender el significado de la palabra verdad, fidelidad y esperanza...

    ResponderEliminar
  4. Bom dia de paz, querida amiga Maria!
    Tem certas esperas que valem muito a pena.
    Tenha dias abençoados!
    Bjm carinhoso e fraterno de paz e bem

    ResponderEliminar

Topo