domingo, 5 de janeiro de 2020

Meditação - Poema de Maria Fernanda Telles de Castro




Às vezes, quando a noite vem caindo,
Tranquilamente, sossegadamente,
Encosto-me à janela e vou seguindo
A curva melancólica do Poente.

Não quero a luz acesa. Na penumbra,
Pensa-se mais e pensa-se melhor.
A luz magoa os olhos e deslumbra,
E eu quero ver em mim, ó meu amor!

Para fazer exame de consciência
Quero silêncio, paz, recolhimento
Pois só assim, durante a tua ausência,
Consigo libertar o pensamento.

Procuro então aniquilar em mim,
A nefasta influência que domina
Os meus nervos cansados; mas por fim,
Reconheço que amar-te é minha sina.

Longe de ti atrevo-me a pensar
Nesse estranho rigor que me acorrenta:
E tenho a sensação do alto mar,
Numa noite selvagem de tormenta.

Tens no olhar magias de profeta
Que sabe ler no céu, no mar, nas brasas...
Adivinhas... Serei a borboleta
Que vendo a luz deixa queimar as asas.

No entanto — vê lá tu!— Eu não lamento
Esta vontade que se impõe à minha...
Nem me revolto... cedo ao encantamento...
— Escrava que não soube ser Rainha!


Maria Fernanda Telles de Castro e Quadros





7 comentários:

  1. Uma brilhante escolha! Amei ... :)
    -
    Vagueando nas asas do vento
    Beijo e uma excelente semana!

    ResponderEliminar
  2. Boa tarde:- Magistral poema. Adorei ler.
    .
    Cumprimentos poéticos
    .
    …………… Poema ……………
    ^^^ Amor Vazio ^^^

    ResponderEliminar
  3. Gosto do jogo de palavras. Talvez tenha sentimentos um pouco confusos quanto ao teor da mensagem, em específico da conclusão, talvez por não concordar com a mulher num plano mais submisso... Mas possivelmente é essa a ideia da autora, o lamento por algo que não a fez atingir a plenitude do que teria merecido ter.

    Abraço e bom início de semana

    ResponderEliminar
  4. Prezada amiga Maria,
    É divagar devagar
    Nesse poema sem par
    De mistério e de magia!

    Lindo como ela sentia
    O amor com a força do mar
    Como borrasca a reinar
    Na fúria da ventania!

    A poetisa é a glória!
    Divina quase simplória
    Mas divinal na poesia...

    O seu poema é a suprema
    Poesia em um poema
    Dizendo o qu'alma sentia!

    Parabéns! Maria, tens alma grande para escolher tão lindo poema! Deus seja louvado! Tudo de bom! abraço cordial! Laerte.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Li com atenção o poema publicado pela Maria, que revela uma alma apaixonada de uma forma incontida. Não posso deixar de louvar a forma imediatista como Laerte responde com um versejar de grande qualidade.
      Saudações poéticas
      Juvenal Nunes

      Eliminar
  5. 😄 Que a paz, a saúde e o amor estejam presentes em todos os dias deste novo ano que se iniciou. Feliz MMXX! 🌼

    ResponderEliminar
  6. Um poema sentido e magistralmente escrito, parabéns pela escolha!
    A mulher submissa, que tudo tudo aceita em nome do amor...
    Beijinhos e votos de bom Ano Novo.

    ResponderEliminar

Topo