sábado, 17 de abril de 2021

Poema - Já não vivo só penso - Fernanda de Castro




Já não vivo, só penso. E o pensamento
é uma teia confusa, complicada,
uma renda subtil feita de nada:
de nuvens, de crepúsculos, de vento.

Tudo é silêncio. O arco-íris é cinzento,
e eu cada vez mais vaga, mais alheada.
Percorro o céu e a terra aqui sentada,
sem uma voz, um olhar, um movimento.

Terei morrido já sem o saber?
Seria bom mas não, não pode ser,
ainda me sinto presa por mil laços,

ainda sinto na pele o sol e a lua,
ouço a chuva cair na minha rua,
e a vida ainda me aperta nos seus braços.


Maria Fernanda Telles de Castro e Quadros



7 comentários:

  1. Un bello poema con canto a la vida.
    UN abrazo María.
    Buen fin de semana.

    ResponderEliminar
  2. Um belo poema com uma imagem muito bonita.

    Um bom final de semana.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  3. Uma bela partilha poética! Obrigada.

    -
    SINTO FALTA...
    -
    Beijos, e um excelente fim de semana.

    ResponderEliminar
  4. Olá Maria
    Amei o poema e a imagem
    As vezes se sente assim, como estivéssemos invisíveis
    Mas a vida te aperta com tanta força em seus braços
    Que te faz perceber que ainda existe vida em você...
    Beijos e feliz domingo e semana.

    ResponderEliminar
  5. La mente siempre nos traiciona ...pero al menos hay la posibilidad de salir de esa trance ,claro no siempre se puede.

    Saludos.

    ResponderEliminar
  6. Uma linda poesia e ilustração.
    O viver angustiante em meio a um turbilhão de quereres confusos.
    Alma inquieta na bela inspiração.
    Grato pela partilha Maria em excelente escolha.
    Beijo de paz.

    ResponderEliminar

Topo