quarta-feira, julho 31, 2019

Renúncia - Poema de Florbela Espanca



A minha mocidade há muito pus
No tranquilo convento da tristeza;
Lá passa dias, noites, sempre presa,
Olhos fechados, magras mãos em cruz...

Lá fora, a Noite, Satanás, seduz!
Desdobra-se em requintes de Beleza...
E como um beijo ardente a Natureza...
A minha cela é como um rio de luz...

Fecha os teus olhos bem! Não vejas nada!
Empalidece mais! E, resignada,
Prende os teus braços a uma cruz maior!

Gela ainda a mortalha que te encerra!
Enche a boca de cinzas e de terra
Ó minha mocidade toda em flor!


Florbela Espanca


6 comentários:

  1. Uma das minhas poetas preferidas, é dramática, mas o mundo é assim, para uns mais, outros menos.
    Um beijo, Maria, um ótimo fim de semana.

    ResponderEliminar
  2. Acho já haver referido que a Florbela Espanca é a minha Musa e, também, fonte de inspiração. Bom haveres recordadoeste Poema.


    Beijo
    SOL

    ResponderEliminar
  3. Grato pelo seu comentario no meu blog que tenta ser de poesia mas, como todos os bloguistas, aqui vamos escrevendo para libertar a alma, sentir os sonhos e sobretudo sermos felizes.

    ResponderEliminar
  4. Un saludo desde Almería España

    ResponderEliminar
  5. Rever e reler faz bem ao sentimento.


    Beijo
    SOL

    ResponderEliminar

Topo