sábado, 27 de março de 2021

Poema Por aí além - Carlos Drummond de Andrade




Deixa um momento o asfalto, vem comigo,
entre jogos de sombra e claridade
conhecer a cintura da cidade.

Respira a plenitude do silêncio
destes montes e montes sucessivos
que ignoram a dor dos seres vivos.

Mergulha no mistério vegetal
da mata exuberante, onde as lianas
e as bromélias se calam, soberanas.

E na imobilidade do saveiro
diante da igrejinha, vai sentindo
o que é doçura e paz na hora fluindo.


Carlos Drummond de Andrade
in ‘Poesia Errante'





6 comentários:

  1. Bello poema, no hay nada igual como sumergirse en un bello canto a la naturaleza.
    Un fuerte abrazo y buen fin de semana.

    ResponderEliminar
  2. Hay paz en todo lugar que se siente la creación de Dios.

    estés muy bien!

    ResponderEliminar
  3. Olá Maria
    Adorei tudo, imagem, texto
    Sempre bom andar, sentir o ar, e a canção que a natureza envia.
    Boa noite e boa semana pra você.
    Beijos

    ResponderEliminar
  4. O nosso Drummond no seu romantismo envolvido com a natureza.
    Bonita escolha Maria.
    Boa semana na leveza.
    Beijo de paz.

    ResponderEliminar
  5. Um belo poema, de um magnífico Poeta.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  6. Gosto da poesia do escritor e gostei deste poema tão simples e romântico...

    Dias agradáveis, Maria. Beijinho
    ~~~~~~~~

    ResponderEliminar

Topo