sábado, novembro 10, 2018

Entre o Luar e o Arvoredo





Entre o luar e o arvoredo,
Entre o desejo e não pensar
Meu ser secreto vai a medo
Entre o arvoredo e o luar.
Tudo é longínquo, tudo é enredo.
Tudo é não ter nem encontrar.

Entre o que a brisa traz e a hora,
Entre o que foi e o que a alma faz,
Meu ser oculto já não chora
Entre a hora e o que a brisa traz.
Tudo não foi, tudo se ignora.
Tudo em silêncio se desfaz.


Fernando Pessoa


3 comentários:

  1. Hi Maria.

    Nice card and nice words.

    Groettie from Patricia.

    ResponderEliminar
  2. Oi Maria
    Uma linda poesia melancólica
    Você tem bom gosto querida
    Beijos no coração
    Uma linda noite!
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderEliminar

Topo